domingo, 26 de maio de 2024
Publicado em 14/05/2024 às 14:55

Número de pessoas fora de casa após temporais no RS é superior à população de oito capitais do país

Número de pessoas fora de casa após temporais no RS é superior à população de oito capitais do país
Foto: Nelson Almeida/ AFP

O número de moradores fora de casa após os temporais que atingem o Rio Grande do Sul desde o fim de abril é superior à população de oito capitais brasileiras. De acordo com o relatório mais atualizado da Defesa Civil, 615 mil pessoas foram atingidas. São 538,2 mil gaúchos desalojados (em casas de amigos ou parentes) e outros 77,4 mil em abrigos.

O quantitativo é maior que as populações de Rio Branco (AC)Macapá (AP)Vitória (ES)Porto Velho (RO)Boa Vista (RR)Florianópolis (SC)Aracaju (SE) e Palmas (TO). Os números levam em consideração os dados do Censo 2022, divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O governo do estado afirma que, em razão do volume de chuva que atingiu o RS nas últimas 48 horas, os rios Caí e Taquari vão sofrer elevações rápidas, atingindo a cota de inundação. Posteriormente, essas águas vão chegar ao Jacuí e ao Guaíba.

Prefeitos e equipes das Defesas Civis têm feito apelos para que moradores de áreas de risco não retornem para suas residências. Ginásios, escolas e igrejas são usados como abrigos.

O Guaíba marcou 5,20 metros na manhã desta terça (14) e voltou a avançar sobre ruas. Moradores do bairro Lami, na Zona Sul de Porto Alegre, deixaram suas casas no dia mais frio do ano na Capital.

PIX aos afetados

O governador Eduardo Leite anunciou os critérios das famílias que se enquadram para receber o PIX SOS Rio Grande do Sul e que podem iniciar o processo de recuperação e reconstrução de suas residências. O Comitê Gestor do PIX definiu que serão destinados R$ 2 mil por família afetada.

Receberão os benefícios:

Desabrigadas ou desalojadas como consequência do evento climático, residentes nos municípios que tiveram situação de calamidade reconhecida pela Defesa Civil;

Inscritas no CadÚnico ou no Cadastro Nacional da Agricultura Familiar (CAF);

Que não tenham sido contempladas pelo programa Volta por Cima;

Tenham renda familiar de até três salários mínimos.


Fonte: G1 RS

Compartilhe essa notícia: