domingo, 26 de maio de 2024
Publicado em 09/05/2024 às 10:23

Casos de dengue podem aumentar com as enchentes

Casos de dengue podem aumentar com as enchentes
Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS

Com as graves enchentes enfrentadas em grande parte das cidades do Rio Grande do Sul, especialistas e autoridades alertam para risco de transmissão de doenças infectocontagiosas, entre elas, a dengue. Com 131 óbitos registrados no Estado pela doença, conforme o governo do Estado informou ontem (8), o surto continua, e pode se agravar em meio à crise climática.

Em 2022, ano até então considerado com recorde de mortes por dengue, foram 66 óbitos. Além das 131 mortes até o momento em 2024 , o balanço desta quarta-feira da Secretaria de Saúde informa que o RS tem 105.881 casos confirmados e 36.839 em investigação. O painel de acompanhamento da doença mantido pelo governo estadual está fora do ar por conta do desligamento do data center na Procergs.

De acordo com a médica infectologista do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA), Caroline Deutschendorf, o cenário é propício para proliferação do mosquito

— Os mosquitos estão com um ambiente favorável à reprodução, com muita água parada disponível, que serve como reservatório para a fêmea colocar os ovos. Em poucas semanas, pode haver maior disseminação de mosquitos. Já vínhamos enfrentando uma frequência aumentada de casos de dengue, e pode haver ainda mais transmissão, se isso acontecer — explica. 

Médicos da instituição organizam um plano de ação para lidar com o aumento da demanda no hospital, com a possibilidade de elevação de casos das infecções. Pelo grande número de pessoas desabrigadas, torna-se ainda mais difícil controlar o surto devido ao excesso de pessoas expostas, segundo Caroline, que é coordenadora da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar do HCPA. 

Carmen Gomes, técnica do Programa Estadual de Vigilância e Controle do Aedes, iniciativa da Secretaria Estadual da Saúde do RS (SES), diz que os esforços de combate ao mosquito estão temporariamente suspensosneste momento, por conta da incapacidade de operacionalizar as ações. 

— Quando as águas baixarem e os resíduos começarem a surgir, a atenção será voltada ao recolhimento desses depósitos, para que eles não permaneçam com resquícios de água e nem acumulem mais. Toda a ação de controle do vetor Aedes aegypti está voltada à eliminação de criadouros — afirma. 

Carmen ainda destaca que, com a força da água, é provável que tenham sido destruídos reservatórios que porventura tivesses ovos do mosquito. Mesmo assim, as pessoas devem continuar tomando todos os cuidados necessários com a doença, especialmente em áreas mais vulneráveis. 

Recentemente, a prefeitura anunciou um pacote de medidas para reforçar o enfrentamento à dengue e demais problemas respiratórios, com a proximidade do frio. A Capital terá contratação de 148 profissionais de saúde e 204 novos leitos, entre outras ações

 

Cuidados redobrados 

A queda da temperatura no Estado pode contribuir no controle da dengue, conforme Caroline Deutschendorf. Impulsionada pelo vento sul, uma massa de ar polar está vindo para o RS pela Argentina, e deve trazer frio nos próximos dias. Mesmo assim, sempre que possível, é necessário manter os cuidados com as doenças infectocontagiosas, alertam os especialistas. 

— Sempre que possível, as pessoas devem fazer este controle. Beber água potável, usar repelente se houver acesso a ele, e tentar manter medidas de higiene básica, isso pode proteger. Tentar minimizar a exposição à água parada e utilizar equipamentos de proteção se for necessário entrar nela também ajuda — explica a infectologista do HCPA. 

Nesta semana, o Centro Estadual de Vigilância em Saúde divulgou um guia voltado à população e aos profissionais de saúde, sobre os riscos e cuidados em situação de enchentes. O material traz orientações relacionadas a infecções transmissíveis, doenças relacionadas ao consumo de água ou alimentos contaminados, como hepatite A, enfermidades transmitidas pelo contato com a água das inundações, como leptospirose, alergias e problemas respiratórios, acidentes com animais peçonhentos e condições sanitárias em abrigos, entre outras questões.


Fonte: GZH

Compartilhe essa notícia: